domingo, 18 de janeiro de 2009

Passagem



Uma paragem no tempo... Medo... Um entretanto!
Incertezas... Num repente desfaz-se o encanto
Ah! A liberdade... Caminhar, saborear, abraçar, amar...
Saudades das coisas mais simples... Ah! O mar

Instantes se passaram... Incontáveis, inenarráveis!
Amordaçado, alimento-me de hipóteses, esperanças
Uma dor surda... Lágrimas, momentos intermináveis...
Num sonho profundo, infindo, desejo repousar.

Uma ânsia, consciência, um apego à vida... Renasço!
Perdido de encantos pelo sol, pela chuva, pelo luar...

Viajo com o vento, voar é sonhar...
Nesta viagem vim para amar a tudo...
Incondicionalmente, como as crianças, os cegos...

Tenho lágrimas para todas as saudades...

Paulo

5 comentários:

Mai disse...

Oi, Paulo.

'...entretantos...'
Eu gosto do que escreves.
És muito bom.
Uma leitura agradável, fácil e prazerosa.

Muito bom!

Abraços.

Maria disse...

“Tenho lágrimas para todas as saudades...” Esta frase apaixonou-me por este espaço.

Além disso, suas educadíssimas palavras me trouxeram para acompanhá-lo tb. Sejas bem-vindo ao meu mundo. Sente-se aqui, observa as estrelas em nossa companhia, entenderás do que meu espaço é feito.

Beijos doces

Esterança disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Esterança disse...

Teu poema é pura sinestesia!


Tu me faltas!

bj estelar*

Branca disse...

Lindo aqui!!!
Suas palavras encantam do início ao fim...

Vou te linkar ok?

bjos.