sexta-feira, 13 de março de 2009

Hoje desaprendo o que tinha aprendido ontem



Hoje desaprendo o que tinha aprendido ontem
E que amanhã recomeçarei a aprender.
Todos os dias desfaleço e desfaço-me em cinza efêmera:
todos os dias reconstruo minhas edificações, em sonho eternas.

Esta frágil escola que somos, levanto-a com paciência
dos alicerces às torres, sabendo que é trabalho sem termo.
E do alto avisto os que folgam e assaltam, dono de riso e pedras.
Cada um de nós tem sua verdade, pela qual deve morrer.

De um lugar que não se alcança, e que é, no entanto, claro,
minha verdade, sem troca, sem equivalência nem desengano
permanece constante, obrigatória, livre:
enquanto aprendo, desaprendo e torno a aprender

Cecília Meireles

9 comentários:

catadoradepalavras disse...

Eiii, boa noite!

Conhecendo seu cantinho agora e desfrutando dos autores que mais gosto...

Cecília Meireles, no dia que escreveu este poema, deveria estar com sua criança interna totalmente livre!
A gente bem que poderia deixar nossas crianças livres todos os dias não é?
Seria tão mais fácil e tranquilo VIVER...

Forte abraço e bom final de semana!

LUiA

Christi... disse...

Bom dia Paulo, lindo texto de Cecília, diz muito, diz muita verdade.

Um ótimo sábado pra ti.
Bjs,

Christi

Mari Amorim disse...

Olá queridO,
Lindo post!
Passe lá em casa,e retire seu Selo,O primeiro Selo do blog,como forma de agradecimento,pelo carinho e incentivo.
Beijos,
Mari

Mai disse...

Oi, querido...
São tão verdadeiras essas palavras...
Desfaleço-me também, em muitos momentos, sabe???

Mas sigo...
Ergo-me e vou...

Vivendo entre desfalecimentos e soerguimentos...
Viver apesar de ou talvez justo por... Continuar vivendo com indignação aos absurdos, não, amigo?

Belo texto que outra vez selecionaste para teus leitores...

Carinho,

Mai

Branca disse...

É vivendo e aprendendo sempre...

Bom dia pra vc,
bjos.

Maria disse...

Paulo, que lindo. Sou encantada com tuas escolhas. As flores trouxeram paz, as palavras consolo ^^

Meu beijo

Dois Rios disse...

Oi Paulo! Saudades!

Maravilhosa Cecília! Assim é a vida. Um recomeçar, um aprender, um desfalecer, um desfazer-se e um reconstruir-se sem limites.

Beijos,
Inês

Compondo o olhar ... disse...

olá,
tem um selo em meu blog de divulgação do dia mundial da água, divulgue esta ideia.

abraços

Compondo o olhar ... disse...

o adulto esquece muitas vezes que foi criança!!! mas ela está lá, prontinha para dar cambalhotas, gargalhadas, brincadeiras... basta deixarmos ela surgir...

bjocas

ps: tem presentinho para você no meu blog, dá uma passadinha por lá.