segunda-feira, 11 de maio de 2009

Ecdise


Fotografia: Felipe Alves

Momento de isolamento, libertar-se, abandonar velhos trajes que nos moldam. Pedir perdão pelos pecados. Ter atitude para ser o que quiser. Correr riscos, ser inteiro, porém sem exageros, mas não excluir nada. Desistir da perfeição, buscar extrair a essência das coisas simples. Apreciar a beleza dos dias de sol e dos dias de chuva. Sentir a emoção de um olhar, o calor de um abraço. A expressão de uma canção, a magia de um verso. Não matar sonhos. Alimentar a alma. Amar por amar, amar pessoas. Compreender, e não dominar, falar manso, pisar leve. “Coexistir”.
Um virar de página, o fascínio da vida!

Paulo

5 comentários:

©tossan disse...

Eu precisava disso...Ando me desviando do caminho. Obrigado.
Belo caminho, bela foto!
O importante é que a nossa
emoção sobreviva! Abraço

Jean-Louis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mírian Mondon disse...

Lindo Paulo! Bela reflexão lembrando o grande Fernando Pessoa!
Obrigada por sua visita no Bar None!
Voce é muito bem vindo Paulo!

Abraços!

Maria disse...

Eu precisava muito disso também. Vou virar esta página, vou começar de novo. Meu beijo

Mai disse...

Oi querido.
Belo texto.
Te dizer que sempre trazes palavras relevantes e me deixas levar um pouco de ti, nos momentos escritos por ti.

Mas eu sairei daqui pensando e te convido a fazeres o mesmo. Vê, Paulo, se Humanos e, portanto, em nós a natureza animal e, se assim, desistimos da perfeição porque, controlar a incontrolável natureza é impossível, eu fiquei pensando, onde ou a quem eu teria que 'confessar' e quais seriam os pecados a confessar?

Eu, creio em contensões ao brutal no humano mas não consigo pensar nos pecados ou culpas, sabe?
Mas pensarei, pensarei, sim nisto que escreveste.

beijos, querido.

Fica bem.
Carinho,

Mai

estou voltando a circular devagar.