sexta-feira, 10 de julho de 2009

Pequeno Ato



Caminhei - pequenos passos, apenas!
Passeio o olhar, exerço uma alegria calma,
Nuvens florescem, réstias de sol matizam as cenas,
Deixo-me ir em devaneios, amplidão da alma.

Sagradas sementes se espalham ao chão,
Fragmentos a exprimir-se sem disfarces,
Ardores sonhados, buscando desenlaces.
Imagens compõem minha vida, solidão.

Uma lágrima, de felicidade, ou saudade,
Busco insistências, sem subterfúgios, ascensão.
Dou personalidade à realidade, a cada emoção.
Nesse pequeno ato, reino um instante a liberdade.

Com a alma florida, viro a ampulheta do destino,
E deixo de usar somente a voz...

Paulo

5 comentários:

Dois Rios disse...

Paulo, meu querido!

Teus versos, lá e cá, me emocionaram. Ando me derretendo nas ternuras de quem me quer bem. Você é para mim um doce e suave querer bem .

Quanto aos "Pequenos Passos" eu diria que só assim, vagarosamente, é que conseguimos a amplitude e a intensidade do que nos cerca.

Carinhosamente,
Inês

Mai disse...

Caminhar pelos destinos. No chão, Pés solitários descalços em pequenos passos...
Passos são pequenos nos chãos dos solitários.

Texto tão delicado que fiquei e me demorei.

Beijos, Paulo.

Solange Maia disse...

Paulo,

Que lindo isso... essa sua força em cada palavra, essa delicadeza com os sentimentos...

Que sorte a minha ter vindo por aqui....

Beijo grande,

Solange

http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

©tossan disse...

Caminho com pequenos passos até aqui e vejo a bela poesia sem disfarces, com personalidade...
Mato também um pouco a minha saudade de Pink Floyd. Abraço

Maria disse...

Paulo, estou sem palavras. E acredite qnd digo. A música casou perfeitamente com tuas palavrs e foram de uma beleza indescritível. Permita-me, vou guardar este verso para mim. Minha admiração.

Meu beijo