quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Afinidade


Ser sensível requer alma menina, acesa, florida.
Alma que sabe amar em silêncio, imensamente,
toda a vida, fascinante, como deve ser sentida.
Que não teme o tempo e sonha calmamente.

Alma que faz do viver sinônimo de expansão.
Renasce a cada momento, acredita em milagres,
Navega primaveril. Cantando engana a solidão.
Persegue fantasias, chora saudades, sente felicidades.

Alma de uma luz além, que não consegue dizer adeus,
ânsias repartem teu coração marejado, deslumbrante,
pois buscas transformar fragmentos em sorrisos,
Abraçar a vida, amar, são os sentimentos teus.

Pois desejas o amanhecer sem chuva nos olhos.
Paulo

6 comentários:

Mai disse...

E se expande até onde aguentar e nos extremos vive as dores ou delícias. Há afinidades que tento vivenciar, experimentar, sentir gole a gole.

Beijos meu amigo.
Fica bem

Dois Rios disse...

Paulo,

A meu ver, a sensibilidade não é um privilégio da alma feminina e sim dos que sabem abrir, sem pudor, as portas de todos os sentimentos.

Já a afinidade requer almas sensíveis para que possam captar a luz ou a escuridão do outro.

"Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças,
é conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas,
quantos das impossibilidades vividas." Arthur da Távola.

Beijos saudosos, meu querido!
Inês

zierley jardim disse...

gostei do seu blog. me tornei um seguidor.
quando puder, visite meu espaço tbm.
www.zierleyrojard.blogspot.com
abraço!

Maria disse...

Sabe que guardo os versos teus para mim? Sou tua fã.

Está tudo bem sim, querido. São tempos difíceis, mas possíveis. Prometo não me ausentar mais por tanto tempo. Sinto saudade! E você? Anda feliz?!

Beijos doces

Manifesto Interno disse...

Infinitamente maravilhoso.. como tem que ser a vida, como tem que ser o coração daqueles que amam e não deixam de sonhar!!!

É bom estar de volta para perto de pessoas como vc!

Bjs,

Ester.~

Manifesto Interno disse...

estar*